Estariam as rações envenenando nossos cães?

Ração: melhor amiga ou vilã?

Uma das primeiras dúvidas que temos quando adotamos um cão é sobre qual ração comprar. Basta entrar em um pet shop para ver que há inúmeras marcas, para os cães das mais diferentes raças, idades, tamanhos, dietas, gostos, credos e times de futebol. Mas por que a dúvida nunca é “devo alimentá-lo com ração ou com ‘comida de gente'”?

Já vi pessoas reagirem horrorizadas quando lhes disse que, além de ração, eu também dou carne e outros alimentos “de gente” às minhas cãs. E também já vi pessoas jurarem que seus cães nunca comeram ração e eram saudáveis.

Uma matéria publicada pelo DailyMail me trouxe de volta esta questão ao relatar a história de um Border Collie que começou a ter convulsões e cuja causa não foi descoberta pelos veterinários. Seus donos, então, começaram a pesquisar internet afora procurando por ajuda e, entre diversas dicas, desde medicamentos extravagantes até rezas, o conselho para que parassem de alimentar o cão com rações processadas lhes chamou a atenção. Foi então que resolveram checar os ingredientes do pacote de ração e, por meio de investigações adicionais, descobriram que as indústrias não dizem tudo o que há para saber sobre o conteúdo das rações.

Um dos veterinários visitados por eles deu uma ideia bastante questionadora. Ele disse que você só precisa assistir a alguns documentários sobre vida selvagem para notar que “cães selvagens comem carcaças. Eles caçam animais vivos ou coletam restos; eles não atacam plantações de trigo, eles não colhem batatas, não cozinham, não adicionam conservantes ou produtos que ressaltam o sabor… Se isso não acontece na selva, nós não deveríamos fazer isso por eles”.

A dona do Collie, e autora da matéria, Rebecca Hosking, também levanta a questão sobre os motivos pelos quais os veterinários normalmente sugerem que os cães comam rações e quase nunca sugerem uma dieta baseada em alimentos crus. Ela menciona o grande poder da indústria das rações para pets, que movimenta bilhões por ano e patrocina faculdades e eventos veterinários, incutindo nos alunos uma linha única de pensamento, a de que a ração processada é ideal para os cães. Poucos veterinários – como constatou Rebecca – falam sobre outros tipos de dietas que não envolvam produtos industrializados.

A matéria ainda traz um parágrafo aterrorizante: “Na América do Norte, fertilizantes feitos com restos de carne e ossos (mammalian meat and bone meal), um ingrediente-chave na ração animal, mostrou incluir sobras de cães e gatos que sofreram eutanásia – coleiras contra pulgas, placas de identificação, microchips e outros.”

Que medo! O que nossos queridos cães estão comendo??

Veterinários visitados por Rebecca dizem que o número de clientes que têm dado alimentos crus a seus cães tem aumentado, e os animais estão muito bem, obrigada. Outros dizem que ração ainda é o melhor, mais completo e mais balanceado alimento para os cães.

E agora? Dar ração aos nossos cães, não tendo certeza sobre o que eles estão ingerindo, ou colocá-los em uma dieta de alimentos crus sob o risco de contrair alguma doença que este tipo de alimento pode transmitir?

Sugiro a leitura da matéria (em inglês) na íntegra, pois há outros dados interessantes que não mencionei aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s