Excelentes notícias contra o câncer

Três grandes notícias foram publicadas este mês falando sobre avanços em novas pesquisas no combate ao câncer.

Cientistas criam droga que ‘altera’ DNA e inibe evolução do câncer – estudo conduzido na Universidade de Brasília!

Cientistas usam veneno de abelha para combater câncer – pesquisa americana usa a nanotecnologia para levar veneno até células cancerosas e deixar as saudáveis intactas.

Novo exame de sangue consegue detectar bem antes retorno do câncer de mama – cientistas de organização britânica encontraram traços de câncer de mama em um grupo de mulheres oito meses antes do provável período em que ele normalmente seria detectado.

É como eu sempre digo: cientistas =❤.

O dia em que o Instagram perdeu a identidade

O Instagram Brasil anunciou que vai passar a permitir a publicação de fotos e vídeos em outros formatos que não o quadradinho.

“O formato quadrado tem sido e sempre será parte de nós. Apesar disso, a história visual que você está tentando contar deve estar sempre em primeiro lugar, e queremos tornar fácil e divertido para você compartilhar momentos da maneira que quiser”, publicou o Instagram Brasil em sua conta.

Pra mim, vai perder a graça. O legal de “brincar de Instagram” era o desafio de conseguir colocar num quadradinho aquilo que você queria mostrar, de transformar aquele momento numa bela foto polaroid, que iria para um mural universal de milhões de fotinhas polaroid, perfeitamente quadradinhas. A foto tinha que ser feita um pouco de longe para que, na hora de cortar, você conseguisse dar ênfase ao ponto principal sem perder o contexto da foto, sem estourar a qualidade e também sem ter que cortar elementos importantes da composição.

Mas agora o Instagram passa a ser mais um lugar onde você pode publicar as suas fotos. Quaisquer fotos. Em quaisquer formatos. E agora vai ficar tudo despadronizado e bagunçado e ruim e feio.

Não curti.

Quadros infantis que nunca iriam ao ar hoje

Na minha infância, o Tom queria matar o Jerry, o Jerry batia no Tom, o Coyote queria comer o Papa-Léguas, o Coyote se explodia, coisas em geral explodiam!, o Pica Pau atirava com revólver na cara dos outros, o pessoal da Corrida Maluca tentava sacanear uns aos outros para chegar primeiro, o Manda Chuva era o maior vagabundo, personagens roubavam, atiravam, fumavam, batiam, trapaceavam etc., e nenhuma criança tentava fazer o que via nos desenhos porque, de algum modo, sabia que era errado.

Na minha infância, as crianças eram mais ingênuas mas também, parece, mais inteligentes. Os únicos que gostam do atual e intragável “politicamente correto” são os ultraconservadores e os pais com preguiça de educar seus filhos.

Pensei nisso hoje, quando, por um grande acaso, topei com este vídeo da saudosa TV Colosso enquanto procurava pelo trecho do cachorro chef de cozinha que chamava o pessoal pro almoço. Assista ao vídeo abaixo a partir de 1’50” e me responda: esse diálogo das pulgas estaria hoje em algum programa infantil da TV aberta brasileira?

.

O diálogo transcrito:

Pulga 1 – Otto Branco quer saber: “quem inventou o ditado ‘de grão em grão a galinha enche o papo’?”

Pulga 2 – O nome nós não conseguimos confirmar não. Sabemos apenas que era um criador de galinhas, sovina como ele só, que ficava regulando a ração das coitadinhas. Mas ele pagou bem caro: a sua esposa era uma megera que o espancava todos os dias.

Pulga 1 – É, e foi ela quem inventou “em casa de mulher que manda, até o galo canta fino”.

Sabe quando que a frase “sua esposa era uma megera que o espancava todos os dias” ou “foi ela quem inventou ’em casa de mulher que manda, até o galo canta fino'” apareceria num programa infantil politicamente correto (o único tipo existente hoje em dia)? NUNCA.

E este outro quadro da TV Colosso? Já começa pelo nome do personagem: Paulo Paulada.

.

NUNCA que os defensores do politicamente correto de hoje deixariam que isso fosse ao ar. Porque, afinal, seus queridos filhos não podem, jamais!, ouvir alguém falando que uma pessoa espanca a outra, ou, imagine!!, VER um personagem batendo em outro que não fez nada de errado!

Não, meus senhores, os filhos dos defensores do politicamente correto não sabem discernir entre o que é certo e o que é errado, portanto, é melhor esconder tudo o que possa fazer com que eles tentem refletir sobre alguma coisa e, que medo!!, encham os pais com perguntas sobre bem/mal, certo/errado, ética, caráter, educação, índole, boas maneiras, o que é crime e o que é permito por leis e outras coisas da vida!

O melhor é abolir tudo que o possa levar uma criança a usar a inteligência ou fazer perguntas aos pais, afinal, eles estão ocupados demais para explicar e mostrar o mundo à elas.

O poder do pensamento positivo demonstrado empiricamente

Como disse um dia Albert Einstein, “a mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho normal”. Atesto e dou fé, pois já passei por isso algumas vezes – uma delas, há muito tempo, quando li o excelente O Mundo de Sofia, de Jostein Gaarder (olha a dica!).

E a mais recente aconteceu esta semana, durante uma sessão de acupuntura. Enquanto eu era espetada, a fisioterapeuta me contava sobre um japonês (sempre eles!) que conseguiu “provar” a força do pensamento negativo sobre o corpo humano – e, consequentemente, o poder do pensamento positivo – com um experimento simples.

O nome dele é Masaru Emoto, um pesquisador e curador alternativo, e o que ele fez foi demonstrar que os pensamentos e intenções que temos podem alterar a realidade física, assim como a estrutura molecular da água. E, como o corpo humano é formado por mais de 70% de água, o que ele descobriu pode ter implicações extremas em nossas vidas.

Basicamente, o que ele fez foi encher duas garrafas com água e, em uma delas, escrever “obrigado” e, na outra, “idiota”. Todo dia, ele dizia “obrigado” para a primeira garrafa e xingava a outra. Após certo tempo, ele notou que a água da garrafa “agradecida” continuava do mesmo jeito, ao passo que a da garrafa xingada formou pequenos cristais no fundo da água.

Se você não se impressionou com esse resultado, assista ao vídeo abaixo e conheça o chamado “experimento do arroz”, outra demonstração bastante famosa do dr. Emoto sobre o poder do pensamento positivo. A experiência é similar à das garrafas de água, porém, desta vez o resultado é ainda mais impressionante: o dr. Emoto colocou arroz em três potes iguais e os cobriu com água. Depois, todos os dias ele se dirigia aos potes e, ao primeiro, dizia “obrigado”; ao segundo, dizia “você é um idiota”, enquanto ignorava totalmente o terceiro pote com arroz.

Após um mês, o resultado foi o seguinte: o arroz do pote “agradecido” começou a fermentar e liberar um cheiro forte e agradável; o arroz do pote “xingado” ficou preto e estragado, e o arroz do pote ignorado começou a apodrecer. Veja com seus próprios olhos.

Incrível, não?

O dr. Emoto acredita que este experimento seja particularmente importante em relação às crianças: “nós devemos cuidar das crianças, dar atenção e conversar com elas”. Caso contrário, elas podem lentamente se tornar o resultado do pote xingado…

Ainda não existem estudos científicos que corroborem e expliquem os resultados dos experimentos do dr. Emoto, mas, pelo sim, pelo não, não custa tentar ser mais positivo na vida…